martes, 18 de noviembre de 2014

Nossa trilogia

Trio, de três.
Trecho da vida. Trinco aberto.
Tripa tripartida, trilha a seguir.

Triamos nossa tribo. Nos trinques.

Tremelique. Tremendo. Trepidante.
Trilegal e um treco por um triz.

Verdadeira trincheira. Tresnoitar e tresvariar.
Trinar, triscar e treinar.
Sem trégua. Tresfolegar.

Trinômio de trilingues.
Tricamas e triciclos.
Muito tricô e muita trela.

Triplicamos. Triplo. Triepleto.
Oh triunfo! Oh trem bom! Oh trevo da sorte!


lunes, 12 de mayo de 2014

Escafedeu-se?

Não, não! Quem é vivo sempre aparece!

Começo por uma coisa muito marcante desses últimos meses e motivo principal do sumiço. Numa segunda-feira a mediados de novembro eu estava tranquilamente indo pra minha aulinha de natação para grávidas, no carro, quando percebi que meus óculos estavam sujíssimos. Limpei quando parei no sinal e cheguei à triste conclusão que não era o óculos.

No dia seguinte, em urgências, o médico foi completamente categórico depois de muito olhar: desprendimento de retina, ou opera já ou bye-bye. Assim foi.

Operação minuciosa, de duas horas, minha retina estava descolada em 6 pontos diferentes. A médica, chamada Florência Escalada, era toda uma especialista em retinas e me mimaram muito na operação, já que eu não podia tomar nem um calmatezinho pra relaxar, muito menos fazer uma anestesia geral!!

Então, além de me mimarem, buscaram uma anestesia fisicamente falando: me amarraram à cama, completamente. Aliás, o que mais incomodou da operação, eu juro, foi tirar o esparadrapo que me prendia a cabeça à cama e pegava um pouco de cabelo. Aiiiiiii!

Sigo com problemas de vista e devem me operar outra vez por um buraco na mácula e uma catarata. Nada fácil. Aliás, quem quiser conselho ou compartilhar experiências no assunto, será um prazer, podem deixar uma mensaginha nos comentários, viu?

Mas, tudo isso vai sendo superado pela força da vida, afinal, há uma vida aqui dentro e estamos muito, muito felizes! Mas sem tempo pra escrever! E por isso vou escrever pouquinho e só de vez em quando...


viernes, 12 de julio de 2013

Põe o pezinho e serei seu par...?

Esse grande franzino homem a meu lado é um sábio, um poeta. Não canso de escutar o que tem a dizer, a sua opinião.

Só que muitas vezes a sua passa a ser a minha e me sinto influenciada demais. Fico confusa, gostando e achando bonito admirar alguém ao lado e seguir ouvindo o seu ponto de vista, mas também na defensiva, às vezes, querendo proteger o pensamento que é meu.

Dessa vez se tratava da conquista do coração, essa que eu sempre, humildemente, me senti uma privilegiada pois sempre considerei que consegui conquistar o amor de quem amava. Nem sempre pelo tempo que queria ou com a intensidade desejada, mas ao menos um pouco de atenção, sentir-me valorizada e até um calorzinho ao corpo. Estava enganada, tudo era pura manipulação?

Foto de A. Blume
Porque resulta que a teoria deste rapaz destrói todo o meu orgulho. Ela dá como certo que não conquistei ninguém. Um desaforo. Mas com toda uma lógica e provas científicas por detrás!

São os homens quem escolhem sempre o seu par. E as mulheres, decidem. Ou seja, aparecem os candidatos, cada vez mais próximos, charmosos, detalhistas, conquistadores... e elas vão decidindo se sim, ou não. Elas tem a palavra final, mas só observam um pedacinho do todo, oferecido por eles.

Será verdade? Para mim, analiso o passado e me vejo espelhada nisso. Só os que souberam ser próximos, com seus charmes e detalhes, conseguiram conquistar esse coração mole. Os tímidos, discretos, e, especialmente, os bom rapazes enfim, sempre tiveram pouquíssimas chances...  Que triste pensar que se é uma pessoa autônoma, dona do seu nariz, e no fundo seguir um preceito, embora com uma posição cômoda... Que duro ser homem e precisar sempre dar o passo! Que duro ser mulher e nunca ser escolhida! Por sorte para todas as regras existe a exceção e os anos ajudam a todos a ver as coisas de outras maneiras.

jueves, 7 de marzo de 2013

Pensamentos únicos


Um dia pensei que algumas pessoas eram um pouco ridículas porque com trinta-e-muitos se sentiam como se tivessem vinte...

Com trinta-e-muitos me sinto, muitas vezes, como se tivesse vinte e não me acho ridícula, mas me sinto ridícula de ter pensado que isso não aconteceria...

Então acertei que seria ridícula, talvez só errei no motivo.

miércoles, 16 de enero de 2013

Décadas (em plural)

E então comemoramos...

20

Há 20 anos saí de casa e se abriu um mundo totalmente novo para mim. Fui para uma pequena cidade, para o campo, estudar agronomia. De aí foi quando comecei a dar passinhos pelo mundo, que cada vez foram ficando maiores, até enraizar outra vez. Aliás, sobre raízes de plantas nunca fiquei com as ideias muito claras, mas quanto às raízes, minhas e das pessoas, raízes diferentes enfim, isso é um tema que realmente me considero à vontade.

Estes dias fazem 20 anos que entrei na Universidade. Muitas águas rolaram, mas não deixa de me deixar chocada que passaram tantos anos...

PS: Queria aproveitar para mandar um grande abraço à todas as pessoas que entraram na minha vida nesta ocasião! Levamos duas décadas de histórias :)

lunes, 26 de noviembre de 2012

Tarde de outono quente

Fizemos um programa completamente diferente e inesperado nesta tarde de domingo... O que poderia ter sido um concerto mais de Sanjosex, sem dúvida um dos meus músicos preferidos [em catalão], passou a ser uma tarde de surpresas...

Sanjosex sempre gosta de misturar ritmos mas desta vez foi mais longe e não só explorou novas áreas, mais também se arriscou a fazer um concerto especial com um renomado guitarrista flamenco daqui [Chicuelo]. Teria sido um desperdício chamá-lo só para participar com um guitarrista convidado. Mas isso não aconteceu, porque Carles Sanjosé, além de tocar várias canções suas com um ritmo diferente, se atreveu a interpretar canções tão míticas como "Lo Bueno y lo Malo" e "Dos Gardenias". O show foi toda uma curiosa combinação entre catalão, espanhol, flamenco e inclusive ritmos malineses, já que um dos músicos da ocasião era um percussionista de Mali muito interessante [Baba Maiga].


No meio do espetáculo outra surpresa, que dividiu o show em um antes e um depois. Um bailarino de flamenco para acompanhá-los e interpretar as canções.

David Romero, um rapaz robusto de uns 30 anos, corpulento e bem masculino, mas que dançando era uma combinação muito estranha de delicado e bruto, aparecendo com as vestimentas mais ousadas, até com uma capa que o convertia em uma espécie de homem fantasiado de mulher flamenca.

Castanholas nas mãos, leque e muito sapateado. Um Sanjosex atrevido que nunca tinha visto. Enfim,  fusão de verdade, nada deste batido flamenco fusion.

Maravilhosa tarde de outono no Auditório de Girona.

Com razão, aplaudidos de pé. Olé!

domingo, 4 de noviembre de 2012

Estações


Uma depressão 
é um mundo de agonia 
até virar de novo 
alegria

Mulher barriguda
é alegria 
até que fica vazia


Essas pedras
tinham uma mensagem vazia
até se transformarem
em agonia, em sinfonia, em alegria


Mas vinha o inverno e
todo o mundo o sabia


(Duas caras, a mesma moeda. Hoje vejo mais as caras alegres que as tristes)

Pebbles with faces, por Annie Montgomerie.

viernes, 2 de noviembre de 2012

Experiência Vegana

Ontem fomos almoçar num restaurante vegano. O lugar tinha um astral ótimo, um restaurante pequeno, com mesas baixas, onde na parte de trás dão aulas de yoga.

Mas fiquei bem decepcionada, parecia que tinha entrado em um clube e não encaixava! A comida não era ruim, mas achei tudo muito radical. Estava sem sal, não serviam açúcar, café, vinho nem pão normal. Com o gostoso que pode chegar a ser a comida vegetariana, parece que ao final esse tipo de restaurante queima o filme dos demais... E há muitos bons!

Chegando em casa, dei uma boa investigada sobre os veganos. Basicamente, a origem é de vegetarianos que estavam incomodados de estar no mesmo grupo dos que comem leite, ovos, mel, e carne, claro. Eles se sentiam diferentes e criaram um novo grupo. Mas não só por isso. Os veganos estão na luta pelo direito dos animais, e não usam qualquer derivado animal, nem para a vestimenta. Tampouco frequentam lugares com animais como circos, zoológicos e granjas.

Eu não vou poder aderir a algo assim nunca, não porque adore ir na praça de touros, mas porque como de tudo e sem excessos e acho que é o que me faz bem, para mim e para minha família... Amo comer legumes, verduras e frutas, faço muitas receitas sem nada de carne, ao menos uma ao dia. Mas comer hambúrguer que parece de carne e não é, queijo que parece de leite e não é... prefiro coisas que são o que são! O tofu e o falafel são deliciosos, mas não gosto de comê-los "como se fosse".

Um vegano, às vezes, não come nem açúcar (que é de beterraba ou cana) porque parece ser que há refinarias que utilizam osso animal na hora de processar o alimento. Eu sou viciada em ler ingredientes de embalagens e descobri que esse é o passatempo preferido dos veganos. Obviamente ao pesquisar achei gente muito legal por aí e que é vegano, uma menina com um blog ótimo, super esclarecida e que dá dicas de altas receitas: http://papacapimveg.com/

Bom, preciso confessar que hoje entendi muita coisa... Ao buscar o nome na internet do restaurante em questão para dividir com vocês, acabo de entender porque a comida, além de estranha, era fria!! Chama crudivegania e acho que são da linha de comida viva. Somente recomendável para paladares já mais inseridos no tema http://www.crudivegania.org/

Será que vale por um bifinho?

lunes, 4 de junio de 2012

Jo vull!


Ayer fuimos a un restaurante excelente, del Grupo Tragaluz, llamado Komomoto. Hacen fusión de Japonés y Peruano y el resultado es maravilloso. El precio es justo, para lo bueno que está. Está en la calle Princesa, en pleno gótico.

Pero ayer pasó algo interesante. Por fin me di cuenta que confundo dos grupos de restauración. 

Me encanta ir al restaurante El Pla, en la carretera hacia la playa de Castell de Palamós, y pensaba que ese restaurante era Tragaluz. Pero no salía entre los nombres del Tragaluz que vi ayer en el Komomoto.

Y hoy, con la pulga atrás de la oreja como de costumbre, y investigando, he entendido que son dos grupos diferentes.

El Pla es del grupo Andilana, de la familia Camós de Palamós, y están por Palamós, Barcelona, Girona y Madrid. Tienen hoteles y muchos restaurantes... Ellos sí que tienen una relación calidad/precio más que increíble... Estoy feliz porque hay un montón de sitios nuevos para mi y hay que probarlos todos!


Y atención... El Pla tiene menús también los fines de semana... ¡A unos 12 €!

Algunos que serán las próximas víctimas, ya que están por mi zona:




Os dejo una foto de uno de los muchos de Barcelona, pero hay otros más en la página del grupo Andilana. Mirarla si especialmente queréis buscar las direcciones en Madrid. Bon profit a tothom!




PD: Evitemos los malentendidos, os prometo que no gano ninguna comisión para escribir todo eso :)

Es en realidad mi lista de deseos, posibles incluso en tiempos de crisis, y compartida aquí!

miércoles, 30 de mayo de 2012

Entre amigas

Quedar con amigas

(Publicado según lo que me comentan mis amigas de Gaiola das Lokas...)

Conferencia a cargo del Jefe de Psiquiatría de la Universidad de Stanford


por: shesho.


La relación entre el cuerpo, el alma, el estrés y el malestar físico

El profesor señaló, entre otras cosas, que investigaciones demuestran que una de las mejores cosas que un hombre puede hacer para mejorar su salud es casarse con una mujer.
El matrimonio aumenta la longevidad y el bienestar del hombre.

¿Qué pasa con la mujer? El orador señaló un hecho sorprendente:
La esposa, para su salud, necesita cultivar sus relaciones con sus amigas.

En un principio, esta declaración provocó la risa de la audiencia, pero el profesor hablaba muy en serio. Los estudios demuestran que las mujeres se conectan de manera diferente a hombres y tienen otros sistemas de apoyo para ayudarlas a hacer frente a las experiencias difíciles y estresantes en sus vidas.

Tener tiempo para las amigas es muy significativo a nivel fisiológico, ayudando a producir más serotonina, un neurotransmisor que ayuda a combatir la depresión y crea una sensación general de bienestar y un sentimiento positivo.

Las mujeres tienden a compartir sus sentimientos, mientras que los hombres se reúnen en general en torno a otras tareas. Rara vez se sientan con un amigo para hablar sobre cómo se sienten acerca de algo, o como es su vida personal. ¿Trabajo? ¡Sí! Deportes? ¡Sí! ¿Coches? ¡Sí! Pero, ¿sus sentimientos? Solo en raras ocasiones.

Las mujeres lo hacen todo el tiempo. Comparten sentimientos y emociones de las profundidades de sus almas con sus amigas, y parece que eso realmente contribuye a su propia salud.

El tiempo que se pasa con las amigas es tan importante para la salud de las mujeres como correr o ir al gimnasio. De hecho, hay una tendencia entre las mujeres a pensar que cuando se hace actividad física se está haciendo algo bueno para el cuerpo, mientras que cuando hablan con las amigas han "perdido" el tiempo en vez de hacer algo más productivo. Y eso es un error.

¡¡Parece ser que no crear y mantener relaciones de calidad con otras personas afectan nuestra salud física tanto como fumar!!

Por lo tanto, cada vez que las mujeres quedan con sus amigas, es importante celebrarlo.

¡Salud!